Breve Histórico do Caps III de Cascavel


O município de Cascavel está localizado na região oeste do estado do Paraná, com uma população estimada em mais de 350 (trezentos e cinqüenta) mil habitantes. É o município sede da 10ª Regional de Saúde, órgão da Secretaria de Saúde do estado do Paraná. No ano de 2001, após diversas discussões realizadas por técnicos da Secretaria municipal de Saúde, foi elaborado o Plano Municipal de Saúde Mental, considerando a necessidade do município em implantar um serviço de saúde mental mais abrangente, preventivo e reabilitatório, com intuito de integrar e/ou reintegrar à sociedade o indivíduo portador de algum tipo de sofrimento psíquico. Este plano foi aprovado pelo Conselho Municipal de Saúde, sendo que as ações previstas neste plano foram programadas para serem implantadas em um processo gradativo. O processo de desinstitucionalização das pessoas com sofrimento psíquico, e a implantação de uma rede de serviços extra-hospitalar, se intensificou a partir do fechamento do Hospital e Casa de Saúde São Marcos em 05 de Novembro de 2003, instituição asilar na área de psiquiatria, que vinha prestando serviços nesta região há mais de 30 (trinta) anos. Este instituição contava com uma capacidade instalada de 295 (duzentos e noventa e cinco) leitos credenciados ao Sistema Único de Saúde (SUS), com uma ocupação de cem por cento. Destes, trinta e cinco por cento estavam ocupados por pessoas residentes em nossa cidade. Atualmente o município de Cascavel conta com uma unidade do Caps III, uma unidade do Caps i, uma unidade do Caps ad e três Residências Terapêuticas. A urgência/emergência tem sido atendida em um Pronto Atendimento municipal. A internação integral tem sido realizada em dois hospitais psiquiátricos da região. De acordo com a proposta de implantação da rede municipal de Atenção em Saúde Mental entendemos que a implantação do Caps III em nosso município é um dos pontos de atenção, importante e necessário, para o atendimento integral às pessoas portadoras de transtornos mentais e outros sofrimentos decorrentes do uso e dependência de álcool e outras drogas.


________________________________________________________________________________________________

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Série Depoimentos: Gilmar!

.


video



Depoimento do paciente Gilmar. Para preservarmos a imagem do paciente colocamos efeitos no vídeo.


Sou Feliz


.

Fonte da Imagem: Internet

Sou feliz porque sou patrão

Sou feliz porque sou peão

Sou feliz porque tenho amor no coração

Sou feliz por ser louco desvairado

Mas, tenho amor no coração

Sou feliz porque tenho tudo o que quero

E amo tudo o que tenho

Sou feliz por amar e ser amado

Sou feliz por não julgar

E não ser julgado

Por isso sou feliz! Sou feliz! Sou feliz!

Airton J. Leite

15 de Julho de 2009 – 09:31 Hs

***

O poema acima foi escrito pelo paciente do Caps III de Cascavel, Airton J. Leite. Airton começou a escrever poesias depois que começou a frequentar as oficinas oferecidas pelo Caps III.


segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Artesanato

.

Segue abaixo algumas fotografias de produtos desenvolvidos nas aulas de artesanato pela professora Rosana Denardi juntamente com os pacientes em tratamento no Caps III. Existem muitos outros produtos que mostraremos posteriormente...




Porta-Papel Toalha com motivos florais.

***


Diversos produtos prontos para serem comercializados em feiras de artesanato promovidas em pontos estratégicos da cidade como, por exemplo, o hall da prefeitura municipal.

***


Chinelo enfeitado.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Dupla de Pacientes em Ato de Solidariedade

.

Estas fotos foram tiras hoje (dia 15 de Janeiro) pela manhã, no Caps III. A dupla que está a cantar é Ademir & Everaldo - que são pacientes. Eles estão animando a vida da Iolanda, que é paciente de uma das Residências Terapêuticas vinculadas ao nosso serviço de saúde mental. Iolanda adora musica e já não sai mais da cama e, por esse motivo, a dupla foi carinhosamente cantar em seu leito.






Como de costume, para proteger a identidade dos nossos pacientes, colocamos efeito nos rostos de Iolanda (deitada) e sua cuidadora Selma (funcionária sentada ao lado).

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

O Vazio do Barco


.


As águas andando

Com o barco remando

As águas correndo

Como escorrem

As lágrimas do olhar

As águas

Vão levando

Os pensamentos

Do remador...

Airton J. Leite

14 de Abril de 2009 – 09:31 Hs

***

O poema acima foi escrito pelo paciente do Caps III de Cascavel, Airton J. Leite. Airton começou a escrever poesias depois que começou a frequentar as oficinas oferecidas pelo Caps III.



quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Série Depoimentos: Natividade!


.
video



Depoimento da paciente Natividade. Para preservarmos a imagem da paciente colocamos efeitos no vídeo.


terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Série Depoimentos: Isaías!

.


video
Alinhar à esquerda

Depoimento do paciente Isaías, autor da poesia publicada neste espaço ainda há pouco... Para preservarmos a imagem do paciente colocamos um efeito no vídeo.


O Amor Não Existe...

.




Você diz
Que o amor não existe
Mas, existe sim!
Ele vai nascer para você
Como nasceu para mim...

Amigo
Preste atenção no que vou te falar!

Nem todo homem deste mundo
É igual...

Sou diferente!
Dou um grande valor para quem
Estiver ao meu lado.

O amor é correspondido
De várias formas:
Um simples ato é amor...

Pode apostar em meu coração
E acreditar: o amor existe!

Olhe sempre para o infinito
Que vai aparecer uma luz
No fim do túnel
Quando perceber
E acredite... Tudo vai mudar...

É o amor!


Isaías R. S.

***

O poema acima foi escrito pelo paciente do Caps III de Cascavel, Isaías R. S.... Por solicitação do próprio autor não divulgaremos o sobrenome dele por motivos de privacidade. Isaías começou a escrever poesias depois que começou a frequentar as oficinas oferecidas pelo Caps III. A figura, o peixinho pintado, também foi desenvolvido pelos próprios pacientes para uma das cenas da peça de teatro encenada no ano passado pelo grupo do qual fazem parte.


segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Artigo: Dia Nacional da Luta Antimanicomial – 18 de Maio



No dia 18 de maio é comemorado o dia Nacional de Luta Antimanicomial, que é a luta pelos direitos de cidadania das pessoas com transtornos mentais, os chamados “loucos” por uma grande parcela da nossa sociedade. Até a década de 70, a única forma de abordagem para o sofrimento psíquico existente no país era o Hospital Psiquiátrico. Com o evento da Reforma Psiquiátrica, que tem como principal objetivo a redução de leitos em hospitais psiquiátricos, implantando em substituição a estes, um modelo assistencial, com serviços em meio aberto, que acolhem as pessoas em sofrimento psíquico, sem ter que afastá-los do convívio de seus familiares e da sociedade. Os serviços em meio aberto que vieram para substituir os leitos de hospitais psiquiátricos referem-se aos Centros de atenção Psicossocial, Ambulatórios, Serviços de Residências Terapêuticas, leitos psiquiátricos em Hospital Geral e Centros de Convivência. São serviços destinados a acolher os pacientes com transtornos mentais e usuários de substâncias psicoativas, com intuito de estimular sua integração social e familiar, apoiá-los em suas iniciativas de busca de autonomia, oferecer-lhes atendimento com equipes multiprofissionais e atividades em oficinas terapêuticas. O movimento de luta Antimanicomial produziu-se a partir da organização e do impulso de segmentos organizados da sociedade civil. Contando com a parceria e trabalho do movimento social. Portanto a Reforma Psiquiátrica não é mero programa de governo, é antes de tudo, uma construção social com a participação de todos aqueles que defendem os direitos das pessoas em sofrimento psíquico e construção de uma sociedade sem manicômios. Este dia faz parte do patrimônio público e cultural que é construído coletivamente ao longo da trajetória da Reforma Psiquiátrica. Em nosso município contamos com uma rede de serviços que foram implantados em substituição aos leitos em Hospital Psiquiátrico, são eles: Centro de Atenção Psicossocial Infanto Juvenil (CAPSi): Atende crianças e adolescentes, na faixa etária de 0 a 21 anos com diagnóstico de Transtorno Mental e de comportamento. Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Droga (CAPSad): Oferece atendimento a crianças e adolescentes, usuárias de álcool e outras drogas. Centro de Atenção Psicossocial para Adultos (CAPS III): É um serviço ambulatorial de atenção contínuo garantindo assistência à pessoa adulta com transtorno mental ou comportamental e ou transtornos decorrentes do uso e dependência de álcool e outras drogas. Centro de Atenção em Saúde Mental (CASM): É um serviço com característica ambulatorial tendo como função atender a família e indivíduos que apresentem sofrimento psíquico e/ou desvios de comportamento, bem como dependentes de substâncias psicoativas do município de Cascavel. Serviços de Residências Terapêuticas: Ou Serviço Residencial Terapêutico ou simplesmente "moradia" – são casas localizadas no espaço urbano, com horário de funcionamento 24 horas, constituídas para responder às necessidades de moradia de pessoas adultas portadoras de transtornos mentais graves, que não tem vínculo familiar. Com essa rede de serviços de atenção às pessoas usuários de substâncias psicoativas e com transtornos mentais, diminuímos significativamente o número de internamentos em Hospitais Psiquiátricos, sendo que esta demanda pode receber o tratamento sem ter que ser afastado do convívio de seus familiares e da sociedade. Iara Agnês Bach da Costa Gerente da Divisão de Saúde Mental.



Um Pouco do Que Já Aconteceu


Caps III comemora três anos de atendimento psicossocial



O Caps III (Centro de Atendimento Psicossocial) promove a I Mostra InterAção, o evento será realizado nos dias 23 e 24 de junho em comemoração aos três anos do Centro. “É importante que a comunidade participe desses eventos e conheça os serviços que o Caps realiza”, frisa o secretário de Saúde, Ildemar Canto. Amanhã, haverá a Noite Cultural, às 19h30, no Centro Cultural Gilberto Mayer. No evento serão expostos trabalhos artísticos e artesanatos confeccionados pelos pacientes do Caps III nas oficinas terapêuticas. No dia 24, será realizada a Gincana Interativa no Ginásio Sérgio Mauro Festugatto, às 14 horas. O objetivo do encontro é promover a interação entre funcionários do Caps III, pacientes e familiares. O Caps III atende cerca de 130 pessoas e oferece acompanhamento clínico a adultos com transtornos mentais severos e crônicos. “Esses eventos, além de promover integração, chama a atenção para a importância do convívio social e a necessidade de quebrar tabu e preconceitos relacionados à saúde mental”, ressalta a enfermeira e coordenadora do Caps III, Simone Perón Xavier. PROGRAMAÇÃO DA NOITE CULTURAL 19h30 – Abertura da I Mostra InterAção: 3 Anos do Caps III e abertura da Noite Cultural. 19h40 – Palestra da enfermeira coordenadora do Caps III, Simonne Peron Xavier acerca da Reforma Psiquiátrica e Apresentação mais detalhada do Caps III. 20h20 – Exibição do documentário “A Minha Doença é o Seu Preconceito” que retrata o dia-a-dia do trabalho feito junto aos pacientes do Caps III – atendimento, oficinas terapêuticas, serviços prestados e atenção multidisciplinar. 20h30 – Apresentação “A Luz de Cada Um”, do Grupo de Teatro do Caps III. Este grupo de teatro é formado somente por pacientes do Caps III. A apresentação traz alguns poemas de poetas consagrados e representa o valor da vida que cada um traz em si. 20h40 – Apresentação da Orquestra de Flauta Doce de Cascavel, formada por adolescentes do município. 21h00 – Apresentação “O Oceano Que Mora Em Mim”, do Grupo de Teatro do Caps III. A apresentação traz uma temática homenageando as águas e a cultura brasileira. Também é enriquecida com poemas de poetas clássicos. 21h10 – Coquetel de encerramento.

Epístola aos Loucos

.


Dos sete sábios chineses, o oitavo era um louco tibetano. Esse oitavo concluiu que a terra era redonda e achatada nas "quinas" e que a matéria era formada de partículas "indivisíveis" formadas por outras partículas menores que por sua vez eram formadas por outras ainda menores, todas invisíveis. Mas é certo que existem.
Um dia esse oitavo sábio chinês, que era um louco tibetano, chegou a entender que todas as formas de vida evoluíram a partir de uma sopa de letrinhas, da qual alguém comeu várias letras restando apenas três: D, N e A. Ainda chegou a declarar que tanto os homens quanto os símios tiveram um antepassado comum, além da ameba primeva da qual surgiram todas as formas de vida, um primata primevo: um cara baixinho e peludo com cara de macaco, mas que era gente boa e nunca fez mal a ninguém. Diz-se que parecia com os atuais muriquis.
O mesmo sábio profetizou que o Brasil seria descoberto por chineses, esquimós, vikings, fenícios e espanhóis. Estes últimos cobririam o Brasil novamente para que os portugueses pudessem redescobri-lo.
A sua maior descoberta, que revoltou os outros sete, foi o ateísmo: Ele declarou que toda divindade é invenção humana e não se deve dar crédito a nenhuma delas. Mas como ele também era humano, concluiu que o seu ateísmo era uma invenção humana e não se devia aceitá-lo como verdade. Depois ele inventou o "Relativismo Absoluto" e mandou toda certeza às favas, amenizando as dúvidas. Tudo agora é relativo, menos o relativismo, visto que é tido como absoluto.
Por fim ele se suicidou, casou-se com uma das sete virgens do paraíso que eram reservadas ao seu primo terrorista, voltou a morar em Campina Grande e psicografou o texto que você acabou de ler.

Fonte do Texto: http://losttexts.blogspot.com/2008/06/epstola-aos-loucos.html


História dos Manicômios


Asile, madhouse, asylum, hospizio, são alguns dos nomes que denominam as instituições cujo fim é abrigar, recolher ou dar algum tipo de assistência aos "loucos". As denominações variam de acordo com os diferentes contextos históricos em que foram criados. O termo manicômio surge a partir do século XIX e designa mais especificamente o hospital psiquiátrico, já com a função de dar um atendimento médico sistemático e especializado.

A prática de retirar os doentes mentais do convívio social para colocá-los em um lugar específico surge em um determinado período histórico. Segundo Michel Foucault, em A história da loucura na idade clássica, ela tem origem na cultura árabe, datando o primeiro hospício conhecido do século VII.

Os primeiros hospícios europeus são criados no século XV, quando da ocupação árabe da Espanha. Na Itália eles datam do mesmo período, e surgem em Florença, Pádua e Bérgamo.

No século XVII os hospícios proliferam e abrigam juntamente os doentes mentais com marginalizados de outras espécies. O tratamento que essas pessoas recebiam nas instituições costumava ser desumano, sendo considerado pior do que o recebido nas prisões. Diversos depoimentos -- como o de Esquirol, um importante estudioso destas instituições no século XIX -- retratam este quadro:

"Eles são mais mal tratados que os criminosos; eu os vi nus, ou vestidos de trapos, estirados no chão, defendidos da umidade do pavimento apenas por um pouco de palha. Eu os vi privados de ar para respirar, de água para matar a sede, e das coisas indispensáveis à vida. Eu os vi entregues às mãos de verdadeiros carcereiros, abandonados à vigilância brutal destes. Eu os vi em ambientes estreitos, sujos, com falta de ar, de luz, acorrentados em lugares nos quais se hesitaria até em guardar bestas ferozes, que os governos, por luxo e com grandes despesas, mantêm nas capitais." (Esquirol, 1818, apud Ugolotti, 1949)

Influenciado pelos ideais do iluminismo e da Revolução Francesa, Philippe Pinel (1745-1826), diretor dos hospitais de Bicêtre e da Salpêtrière, foi um dos primeiros a libertar os pacientes dos manicômios das correntes, propiciando-lhes uma liberdade de movimentos por si só terapêutica. Desde que a questão dos "loucos" passa a ser um assunto médico-científico, surgem duas correntes diferentes de pensamento com relação ao trato dos pacientes e à origem de seus males. Uma crê no tratamento "moral", nas práticas psico-pedagógicas, nas terapias afetivas como mais importantes. Outra focaliza o tratamento físico, crendo ser a loucura um mal orgânico, fruto de uma lesão ou de um mal funcionamento encefálico. Para esta última, o ambiente dos manicômios, suas instalações, não são tão relevantes para o tratamento.

Mesmo após as reformas instituídas no século XIX por Pinel, um dos primeiros a aplicar uma "medicina manicomial", o tratamento dado ao interno do manicômio ainda era mais uma prática de tortura do que a uma prática médico-científica. Tanto a corrente organicista quanto aquela que acreditava no tratamento "moral", não dispensavam os tratamentos físicos. Nestes tratamentos buscava-se dar um "choque" no paciente, fazer com que passasse por uma sensação intensa, que o tirasse de seu estado de alienação.

Eram correntes as práticas de sangria, de isolamento em quartos escuros, de banhos de água fria, além dos aparelhos que faziam com que o paciente rodopiasse em macas ou cadeiras durante horas para que perdesse a consciência.

Através da história, alternam-se momentos em que predominam as correntes "morais" e organicistas para o tratamento dos doentes mentais dentro da ciência médica. Este último século foi marcado pelo aumento da contribuição das ciências humanas no sentido de entender a loucura como também uma categoria social, com diferentes sentidos em diferentes culturas e períodos históricos. A institucionalização, a exclusão do convívio social, também passa a ser entendida como uma prática histórica que, por si só, não significa o tratamento mais adequado para aqueles que entendemos como doentes mentais. Do mesmo modo como nasceu em um determinado período histórico, ela também pode acabar.


Uma Reforma Silenciosa e Irreversível


Em meio a tantas reformas legais e administrativas discutidas em todo o país, há uma que passa quase despercebida pelos que não estão na mesa de debates: é a reforma no sistema de atendimento psiquiátrico brasileiro. Apesar de lenta, ela tem avançado, e interessa diretamente aos brasileiros que buscam auxílio na rede pública de saúde, podendo alterar radicalmente o sistema de atendimento. Há dez anos, desde quando foi apresentado no Congresso o primeiro projeto prevendo reforma no sistema de saúde mental do país, parece consenso que essas mudanças são extremamente necessárias. Depois dessa primeira proposta, surgiram diversas outras e o próprio Ministério da Saúde já criou uma comissão com a exclusiva função de discutir a melhor maneira de realizar as mudanças.

O motivo dessa unanimidade é claro: a legislação que atualmente vigora no país sobre a questão psiquiátrica data de 1934 e permite atitudes como o seqüestro manicomial de qualquer pessoa que tenha sido diagnosticada como portadora de transtorno mental, uma medida cada vez mais condenada nos meios médicos. E não são poucos os que têm interesse em mudar esse sistema antiquado. Até agosto de 1999, foram internados na rede pública do país para atendimentos psiquiátricos 276 mil pessoas, numa média de 34 mil internações por mês, segundo o Sistema Único de Saúde.

Ocorre, entretanto, que depois de reconhecida a necessidade de reformas ninguém consegue efetivamente realizá-las: o projeto de reforma manicomial, que data de dez anos atrás, de autoria do deputado federal Paulo Delgado (PT-MG) está parado no Congresso e, aparentemente, tem poucas chances de ser aprovado em breve. Além disso, a comissão criada pelo Ministério da Saúde para avaliar as mudanças não se reúne há mais de seis meses.

Longe de ser consenso entre as partes interessadas (doentes mentais e seus familiares, governos e hospitais), o projeto de Paulo Delgado propõe uma mudança radical no sistema: seriam proibidas a partir de sua aprovação novas internações em hospitais psiquiátricos e toda rede de hospitais do tipo seria extinta em cinco anos (20% ao ano). Além disso, o projeto propõe tratamentos alternativos e a interferência de uma autoridade judiciária que decida ou não pela internação caso isso seja solicitado pelo paciente. Embora tenha sido aprovado na Câmara dos Deputados, o projeto foi muito alterado no Senado, que apresentou um substitutivo mais comedido, que também está parado nos trâmites internos da casa. Nele, condiciona-se a ação do Ministério Público a um pedido ou denúncia da família, o que contraria os movimentos antimanicomiais, que defendem que pessoas internadas involuntariamente tenham o direito de nomear um advogado e de solicitar uma junta de julgamento para que ela apure a necessidade de sua internação, a exemplo das recomendações que a Organização Mundial da Saúde fez para os sistemas de atendimento psiquiátrico.

"O projeto-de-lei do Paulo Delgado pode não ser aprovado, mas já é o responsável por algumas mudanças muito importantes", diz Sylvio Pellicano, superintendente da Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do Estado de São Paulo e membro da comissão formada pelo Ministério da Saúde para a reforma psiquiátrica. Entre as mudanças importantes que ele destaca estão as alterações ocorridas nos últimos anos nas legislações de diversos estados e municípios que beneficiam os doentes psiquiátricos (Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais, Distrito Federal, Pernambuco, Ceará, Ribeirão Preto/SP e Rio Grande/RS).

Através delas, boa parte dos serviços tem passado para as mãos dos municípios...


Fonte: http://www.comciencia.br/reportagens/manicom/manicom1.htm



LinkWithin

Related Posts with Thumbnails